Arquivos

Encontro Circular No Ninho da Serpente a 20 de Junho em Terras de Lyz

Mulher

Quero convidar-te a fazeres parte deste encontro circular que nos irá celebrar a todas!
Desde Maio de 2013 que sou guardiã dos Círculos de Mulheres No Ninho da Serpente e tem sido um desafio e uma bênção abrir caminhos nestes trabalhos que nos permitem ir mais fundo em nós mesmas.
Não faço de novo. O Ninho da Serpente não é nada de novo. Orgulho-me disso até! Pois o que nós fazemos é resgatar as práticas ancestrais do feminino. Está tudo feito, só precisamos lembrarmos-nos disso…
Eu tenho 42 anos, sou casada. Sou Mulher. Sou Mulher Oráculo, Mulher Medicina. Sou Mulher que abre caminhos, mas que também anda a aprender a doçura… O equilíbrio entre o amor e a firmeza…

Vem circular, dançar, ri e emocionares-te connosco!

– Isabel Maria / Angélica

https://www.facebook.com/events/845233392218619/860692770672681/

Anúncios

– Terra fértil e sangue menstrual –

ANTIGOS REGISTOS INDÍGENAS DÃO CONTA DE RITUAIS FEITOS PELAS MULHERES DURANTE O TEMPO DA LUA, OU SEJA, A MENSTRUAÇÃO. ELAS ACREDITAVAM QUE O SANGUE MENSTRUAL TRAZIA VISÕES, SONHOS ESPECIAIS E PODER DE CURA. DE CÓCORAS SOBRE A TERRA, AS ÍNDIAS DEIXAVAM O SANGUE ESCORRER LIVREMENTE E PENETRAR O SOLO “PARA NUTRIR A TERRA E GARANTIR A MANUTENÇÃO DA VIDA NO PLANETA”. ERA UMA ESPÉCIE DE RETRIBUIÇÃO À ENERGIA VITAL, UM JOGO DE EQUILÍBRIO QUE MANTINHA FORTE A LIGAÇÃO DAS MULHERES COM A TERRA E COM GAIA – TERRA COM “T” MAIÚSCULO.

Já faz algum tempo, li um texto de uma líder indígena que dizia que os homens entraram em guerra na Terra quando as mulheres deixaram de jorrar seu sangue sobre a terra. Fatos históricos à parte, faz muito tempo que as mulheres não menstruam sobre a terra, sequer sentem o cheiro de seu sangue porque os absorventes industrializados trazem perfumes para disfarçar o aroma do sangue e confundir o olfato. A mulher anda tão distante de seu ciclo natural que sente nojo do próprio sangue, prefere não senti-lo, não vê-lo.

Há cinco anos, adotei o absorvente ecológico em meus “tempos da lua” . A experiência começou para alimentar minha curiosidade sobre como faziam as mulheres antes dos descartáveis – e também para ver se eu seria capaz de reduzir o lixo gerado com os descartáveis (que não são nem um pouco ecológicos). Sim, porque muitas de nós sequer conseguem imaginar o tamanho do incômodo de passar pela menstruação com paninhos laváveis. Não é verdade?
Neste feriado eu estava na ecovila conversando com o Hiroshi, amigo, idealizador da comunidade e agrônomo defensor dos orgânicos. O papo girava sobre como adubar a terra com o composto da cozinha, quando resolvi contar a ele que eu adubava algumas plantas em casa com o meu sangue menstrual. Parênteses: os absorventes ecológicos, feitos de tecido de algodão, ficam de molho na água durante 24 horas, antes de serem lavados com sabão de coco. Essa água recebe o sangue com muitos nutrientes e hormônios que são excelentes fertilizantes para a terra. Pois bem. Ele adorou a história e me pediu para doar um pouco dessa solução para ele, para que possa testar em algumas plantas. Achei engraçado e confesso que, por um momento, achei íntimo demais para compartilhar. Mas, em seguida, um pensamento simples tomou conta de mim: por que não? Que mal haveria em adubar a terra?

Bom, se você chegou até aqui no texto é porque se interessou pelo assunto ou, então, ficou tão intrigada(o) e enojada(o) que não conseguiu interromper a leitura. Seja como for, que bom que você chegou até aqui! Gosto dessas coisas estranhas que parecem chacoalhar nossos costumes. Lembra-me aquela história dos macacos no laboratório, conhece essa? É mais ou menos assim: Cinco macacos foram colocados numa jaula. No centro dela havia uma escada e, sobre ela, um cacho de bananas. Quando um macaco subia a escada para pegar as bananas, os cientistas jogavam água fria nos que estavam no chão. Depois de certo tempo, quando um macaco tentava apanhar as bananas, os outros o impediam, com uma grande surra. Após algumas brigas, um dos macacos foi substituído. O novato, é claro, logo tentou chegar às bananas, mas foi reprimido a tapas pelos demais. Tempos depois, ele já não tentava alcançar as bananas. Um segundo macaco foi, então, substituído e o mesmo ocorreu: levou uma surra antes que pudesse pegar uma banana, agora com a ajuda do primeiro macaco trocado. Em poucos dias, um terceiro macaco foi substituído, e depois um quarto e, finalmente, o último dos veteranos. Agora eram cinco novos macacos que, mesmo sem nunca terem tomado um banho frio, continuavam batendo naquele que tentasse comer as bananas. Diz a história que se pudéssemos perguntar a algum deles porque o grupo batia em quem tentasse subir a escada, a resposta seria algo do tipo “não sei, mas sempre foi assim”…
Estamos em tempo de rever hábitos arraigados, executados por repetição sem crítica ou reflexão. Antes de dizer que você não faria isso, que é nojento, que é coisa do passado ou da sua avó, experimente. As surpresas só ocorrem àqueles que tentam. A mulher precisa aprender a valorizar a menstruação como uma época de renovação e cura. Menstruar é natural, bonito e pode ser muito ecológico. Acredite, a terra irá agradecer. As plantas do meu quintal, pelo menos, ficaram muito gratas…

por Giuliana Capello

 

rose_heart_2547277